05 outubro 2012

A cigarra e a formiga

Em resposta ao desafio "o cair da folha" da "Fábrica de Letras": 


A cigarra e a formiga

Na floresta encantada, andava feliz a cigarra a tocar o seu pífaro. O sol do verão ainda lhe dava a energia necessária para saltar por todo o lado embalada pelo som estridente do seu instrumento.
Um pouco cansada de tanta alegria e divertimento, a cigarra aterrou num cogumelo, que nascera da humidade de uma chuvada estival, e ali ficou a descansar.
Enquanto recarregava as baterias ficou a observar a azáfama que acontecia num formigueiro um pouco mais além. Via formigas a trabalhar intensamente e, intrigada, pensou em dar um salto para conversar com uma delas.

“Olá, amiga. Tudo bem consigo?” – perguntou a cigarra.
“Olá. Desculpe, mas não tenho tempo para conversas” – respondeu a formiga de forma ofegante.
“Êlá. Tenha calma, amiguinha, ou ainda tem um treco. Descanse por uns segundos e fale comigo” – insistiu a cigarra.
“Já lhe disse que não posso. Vem aí o Outono e temos de trabalhar para armazenar comida para o inverno!”.
“É por isso que trabalham tanto?”
“Claro. Porquê? Achava que era por diversão? A senhora anda aí toda contente, veja lá se chega até ao próximo verão!”.
“Credo! Não agoure. Há muita comida. Veja a quantidade de folhas nas árvores e plantas no chão. Vai ver que esse trabalho todo não é necessário. Chega de estresse, cara amiga, toca a cantar e a dançar!”
E a cigarra, dum salto, desapareceu no meio da mata deixando para trás a formiga estupefacta com tanta displicência.

O Outono chegou e passou num ápice, dando lugar a um dos Invernos mais intensos e rigorosos dos últimos tempos.
Quando a primavera chegou, as formigas voltaram a dar o ar da sua graça e começaram a aventurar-se para fora do formigueiro.  Lá fora ouviam-se os pássaros e cheiram-se os diferentes odores das flores. Da cigarra nenhum sinal.
Chegado o verão o silêncio da cigarra mantinha-se.  A formiga começou a preocupar-se e a culpar-se da nebulosa profecia que fizera sobre o futuro da cigarra. Começou por isso a indagar os outros insectos do bosque à procura de explicações para o desaparecimento da cigarra.

Falou com a moscas-da-fruta que nada sabiam porque ainda não eram nascidas no verão passado e, por isso não conheciam a cigarra.
Tentou com o escaravelho-do-estrume que disse não saber de nada porque seu olfacto, visão e audição andavam, ultimamente, numa verdadeira bosta.
Conversou com o Louva-a-Deus que desconhecia qualquer acontecimento mas que lhe garantiu uma oração para que a formiga encontrasse a amiga.
Falou com um mosquito que, para além de não ter qualquer informação útil, revelou-se uma verdadeira melga que não a largava.

Por fim, visitou a colmeia mais próxima. Lá conversou com algumas abelhas. Elas lhe contaram o que sabiam. Tinham ouvido um “zum-zum” qualquer sobre a história de uma malfadada cigarra que tinha sofrido um grave acidente no Outono passado.
“O que aconteceu?” – perguntou, angustiada, a pequena formiga.
“Bem, parece que a cigarra estava montada numa folha de uma caducifólia em Outubro” – disse uma das abelhas – “ e, inesperadamente, terá caído da planta juntamente com a folha e partido uma perna no embate com o chão”.
“Mas uma perna partida não é suficiente para matar uma cigarra” – disse, intrigada, a formiga.
“Pois não. Tens toda a razão. No entanto, parece que a cigarra ficou no chão durante algum tempo à espera do INEM, já que a ambulância estava parada por falta de profissionais. Quando finalmente vieram buscá-la, levaram-na para o hospital mais próximo. Chegando lá viram que as urgência estavam fechadas pois este serviço tinha sido concentrado noutro hospital alguns kms mais à frente. Nesse outro hospital foi confrontada com a taxa moderadora; como a cigarra não trabalhava, não tinha dinheiro para pagar a taxa e teve de deixar o pífaro como caução. No consultório foi observada por um médico duma empresa de prestação de serviços. Esse médico, pouco motivado pelos 4€/hora e que mal falava português, pediu-lhe um Rx da perna que, apesar de demonstrar uma fractura evidente, foi mal lido. A cigarra teve alta medicada apenas com um analgésico genérico que lhe foi trocado na farmácia por um de uma marca indiana desconhecida.  Com o decorrer do tempo a situação agravou-se e a perna da cigarra começou a ficar negra num claro sinal de gangrena. Por fim, no decorrer do inverno, a tua amiga pereceu por complicações devida a uma sépsis.”
“Jesus, que fim triste!” – disse a formiga, claramente chocada com o desfecho da situação.

E, lá ao fundo, uma abelha conhecida pelo seu humor negro e em jeito de provocação, manda uma chalaça:
“Pois é, a preguiçosa e obesa cigarra morreu ao cair da folha!”

11 comentários :

Sahaisis disse...

"Esse médico, pouco motivado pelos 4€/hora e que mal falava português, pediu-lhe um Rx da perna que, apesar de demonstrar uma fractura evidente, foi mal lido. A cigarra teve alta medicada apenas com um analgésico genérico que lhe foi trocado na farmácia por um de uma marca indiana desconhecida. "
É o futuro (próximo) tenho a certeza..

nAnonima disse...

acho que mesmo antes de a cigarra chegar ao hospital (a ambulância fez a volta maior para atestar nas bombas do Intermarché, que é mais barato o combustível), já a formiga tinha batido a bota!!!

Mz disse...

Essa de ter de deixar o pífaro como caução fez-me rir.

Na volta está o hospital repleto de pífaros e a gerência lá terá de fazer um leilão a preço de saldo. Mas como as cigarras não têm dinheiro e as formigas não se metem nesse tipo de negócio, fica o hospital com a remessa de pífaros sem utilidade nenhuma.

:)

Catsone disse...

Sahaisis, mais próximo do que imaginamos. Embora não fosse esse o tema que queria explorar, não consegui evitar :D

nAnonima,o gasóleo dessas bombas entopem as bombas injectoras!

Mz, pífaros, dentes d'ouro, calças... o que a malta tiver para dar. Depois fazem leilões para livrarem-se dessa porcaria toda. Lol.

nAnonima disse...

Eu sei! :)

Utópico disse...

Muito bom. Excelente adaptação. Não foi preciso muito esforço para podermos ver com a maior das clarezas o que se passa no dia a dia do nosso pais, e antervermos o que, se não tivermos cuidado pode vir a ser o nosso futuro.

Acho no entanto que existe um paradoxo no texto pois à medida que o vamos lendo ficamos cada vez mais com a impressão que nós somos as formigas (que trabalham sem parar) e que a cigarra pode ser interpretada como os governantes e os detentores do poder, o que faria com que no final todas as peripécias do SNS fossem vivenciadas pela formiga, como resultado de um acidente de trabalho, e não pela cigarra que teria acesso aos melhores cuidados da saúde privada.

Parabéns pelo fabuloso texto.

Catsone disse...

Utópico, talvez o paradoxo seja intencional: gosto de finais felizes ;)

Briseis disse...

Nãããããooo... eu não acabei de ler isto.... ESTÁ GENIAL, caro Catsone! Primeiro que tudo, é fofinho! E, depois, é tão verdadeiro que até dói... Um verdadeiro momento de inspiração! =)

✿ chica disse...

Adorei a moderna versão dessa fábula!rs Bela participação! beijos,chica

Catsone disse...

Bríseis, obrigado. Infelizmente a parte dos cuidados de saúde de Insectolândia anda pelas ruas da amargura...

Chica, obrigado. bjs.

José Jaime disse...

Excelente! Parabéns!
Abraços
José Jaime
http://cafofodovovo.blogspot.com.br